02 junho, 2017

Você, só você, apenas você


 Entra em meu mundo
somente você
incendeia o mar
apenas você
somente você
perturba meu ser
perambula em meus sentimentos
só você
Abri a minha porta
Deixei entrar
entrou-se
o nevoeiro, chuva
e o frio
Me assento e espero você também
O nevoeiro se vai
A chuva virou bebida descida
por minha garganta
O frio calor trazido pelas putas
E o nevoeiro
era minha esperança
Era magia
Era fé
era tudo de bom que eu tinha
Era meu amor por ti
Mas o nevoeiro
como em toda manhã desaparece
Como tudo começou
Como minha vida acabará
Agora ele virou fumaça
Deixada pelo cigarro
Para preencher o vazio

Que você deixou em mim.

-Rafael Dybas

11 maio, 2017

O pássaro azul

há um pássaro azul em meu peito
que quer sair
mas sou duro demais com ele,
eu digo, fique aí, não deixarei que ninguém o veja.
há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas eu despejo uísque sobre ele e inalo
fumaça de cigarro
e as putas e os atendentes dos bares
e das mercearias
nunca saberão que
ele está
lá dentro.
há um pássaro azul em meu peito
que quer sair
mas sou duro demais com ele,
eu digo,
fique aí,
quer acabar comigo?
(…) há um pássaro azul em meu peito que
quer sair
mas sou bastante esperto, deixo que ele saia
somente em algumas noites
quando todos estão dormindo.
eu digo: sei que você está aí,
então não fique triste.
depois, o coloco de volta em seu lugar,
mas ele ainda canta um pouquinho
lá dentro, não deixo que morra
completamente
e nós dormimos juntos
assim
como nosso pacto secreto
e isto é bom o suficiente para
fazer um homem
chorar,
mas eu não choro,
e você?

30 março, 2017

Bem morto

discurso vazio e pretensioso lambuzado em muros
santificados
repetidas e repetidas vezes
até que quase todo mundo acredite que é
viável.
afetações dos séculos aceitas
como Arte.
cuidado com os livros didático, cuidado com as bibliotecas,
cuidado com as galerias,
cuidado com o pai e o professor.
cuidado com a mãe.
nascemos numa civilização atordoada
por uma mediocridade esmagadora.
o que está diante de nós é um truque, uma
ilusão, uma mentira.
o útero nos cuspiu num cano de esgoto.
novos deuses são necessários.
novas portas precisam ser abertas.
esperamos tanto por tão pouco.
devemos romper o cerco.
essa obscuridade fede a nós,
aqui.
-charles bukowski